segunda-feira, 18 de julho de 2016

De volta



Sim, faz um tempo grande que não publico uma linha no blog. Quero agradecer aos que continuam seguindo o blog, visitando! Vejo o número de visitas crescendo dia a dia mesmo na minha ausência!

Isso é muito especial  pra mim, porque tenho pensado em parar de escrever aqui, cheguei a criar um blog na WordPress (Marga Ledora), outra plataforma mais badalada que esta em que está o meu blog. Na verdade, há  motivos técnicos e também uma preocupação com o destino de minhas postagens, será que quem cita o que escrevo diz a fonte? Sei que isso é internet e a questão  da autoria fica numa zona nublada, embora direitos autorais existam e devam ser observados.

Participei de um laboratório de criação literária e descobri que o que escrevo aqui são ensaios e têm valor, foram considerados bons até para um livro pelo coordenador, o escritor Marcelino Freire, que admiro!

Isso foi muito depois de minha preocupação com o destino dos meus textos e sobretudo um susto que tomei no ano passado ao tentar entrar no blog e receber o aviso do Blogger de que não podia mais, uma situação que me desgostou um bocado!

Estou de volta, gosto deste blog, ele é meu cartão de visita, sempre falo nele quando alguém pergunta o que faço. Faço arte e tenho um blog, um blog abandonado algumas vezes, mas meu blog querido! Volto pra contar que ontem soube do prêmio Prix Canson 2016 vencedores, entre eles, Njideka Akunyili Crosby, que foi quem fez a obra acima e venceu em primeiro lugar.

sábado, 23 de maio de 2015

Des.fa.zi.men.to



Tem Amilcar de Castro, Wassily Kandinsky.
Engancho nas respostas de Diego de Santos (por Leandro Fazolla, pp. 82-83). Não sabia dele, mas já apresentou fotografias no Prêmio PIPA. Tenho de ficar atenta aos participantes desse prêmio.
Mostram pouco, De Santos desenha lindamente e fala bem. Ele tem um pensamento muito claro, usa termos acadêmicos. Podiam dizer de sua formação.
Há resenhas, uma seção de livros lançados.  O que me chamou atenção, folheando a DASartes (39|abril/maio) é o destaque às artistas. Na capa obra de Tomie Ohtake. Dentro Fernanda Valadares num anúncio da mamute galeria de arte em Porto Alegre. Abramovic, Marina Abramovic no Brasil em entrevista e artigo, separados por artigo sobre Daniela Mattos e extenso texto sobre Tomie.
E Nise da Silveira, que não foi artista, mas sim psiquiatra e que usou arte para o tratamento de esquizofrênicos no Centro Psiquiátrico Pedro ll no Rio de Janeiro. Beatriz Milhazes, que alguns chamam de arte decorativa [o que ela faz] e eu concordo, que não vou explicar o motivo, agora não,  por eu estar ocupada com outra artista, apresentada por Alexandre Sá, seu amigo.
O título do artigo é o nome dela.  “Daniela Mattos”.

domingo, 19 de abril de 2015

CONVITE




Teste de material_técnica_MargaLedora2015


Este é um convite para que me encontrem no Facebook!
Decidi ter uma página para compartilhar coisas que, pela estrutura do FB, vai me facilitar a vida, como compartilhar vídeos de que gostei, informações de artes, de artistas, eventos, que eu pretendo sejam acompanhados por comentários curtos.
Algumas coisas de arte minha vão estar nessa página.
Vai ser mais ágil, vou deixar os textos sobre assuntos que exigem pesquisa, reflexão mais demorada para o blog.
Lá já têm algumas postagens, espero que gostem!
Serão muito bem vindos ao meu Facebook de Artista, aguardo por vocês!

quarta-feira, 8 de abril de 2015

rApidinha_s(am)p(a)-arte


9282_d_iphone
Alguém sabe o que é a sp-arte?
Não?
É uma exposição?
É uma feira?
Acho que vai depender um pouco do que você for fazer lá.
Eu iria para ver, ouvir, saber, então seria uma exposição à la bienal.
Outros irão para comprar!
Arte como investimento, arte como produto de decoração, arte que dialogue com os olhos e o coração. Uma feira de arte, então é mais isso.
Começa amanhã. Não dura: termina no domingo.
São galerias a expor obras de artistas, representados por elas: 140. São de várias partes do mundo. Do Brasil também.
É um mercado de arte montado no Pavilhão da Bienal, com entrada a R$ 40.
Nunca fui, neste ano não vou. Mas me parece que o ingresso nada convidativo tem alguma intenção, a de os visitantes irem mesmo para comprar, embora haja eventos dentro da feira e a possibilidade de ver arte contemporânea, os artistas, pessoas ligadas à arte, como curadores, creio que marchands, tudo num mesmo espaço.1
Há as talks, mas essas, por muita procura e vagas limitadas, já tiveram suas inscrições encerradas no dia 31 de março passado. Restam os lançamentos de livros, as revistas de arte, as instalações, performances.
Dê uma olhada na programação e veja o que mais lhe interessa.
Sem dúvida, a sp-arte tem seu papel de movimentar o mercado de arte brasileiro, tem o mérito ainda de mostrar arte daqui e de outros países. Não tenho ideia se é boa ou não, não me lembro de uma crítica negativa à feira, mas li algo do tipo. Deve ter lado A e lado B. Ainda não me aprofundei no assunto, mas reconheço que a venda de obras de arte, os valores, isso é assunto complicado e tem de ser tratado. Determinar o valor de uma obra de arte envolve muitos fatores.
Como tenho uma verdadeira loucura por arte, a sp-arte tem lá seu poder de atração.
Da próxima vez irei pra ter a experiência de visitar tantas galerias quanto me for possível.
A feira, como em outros anos, causa um movimento nas artes dentro e fora do espaço onde acontece. Acabo de ler, na programação,  abertura de exposições em galerias fora do Pavilhão da Bienal, em seus endereços, como a Choque Cultural.
Mas não para por aí, galerias em vários pontos da cidade, que não têm nada a ver diretamente com a sp-arte, aproveitam a vinda de colecionadores e pessoas ligadas a e em arte para a feira para mostrar obras de seus artistas em exposições.
É para eu ser rápida nesta postagem, não devia nem mencionar os nomes de artistas,2  a lista é enorme. Eu me permito dizer quem tem obras do pintor brasileiro Iberê Camargo, de Hilal Sami Hilal, artista brasileiro fantástico, do britânico Damien Hirst, o dos animais dentro de tanques de formol, que tem aparecido com obras de arte bem diferentes disso… o artista visual Pedro Hurpia, ele faz pinturas e fotografias e participei de uma ótima oficina cultural com ele no ano passado. Deixa eu citar mulheres artistas, antes que eu pareça machista: a pintora Lucia Laguna e a sensível desenhista Sandra Cinto. Gosto das duas, têm obras muito bonitas.
Quem for vai ver ainda obras de artistas que nos remetem à historia da arte, como Marc Chagall, Alfredo Volpi.
E, para encerrar essa citação nada rápida de alguns artistas, Richard Serra. Escultor e desenhista que tem mexido muito com minha cabeça, por sua visão de arte que muito me faz pensar.
A sp-arte tem um onde e quando com todas as informações sobre horários, preços de ingressos. Nele há uma porção de observações que devem ser “obedecidas” para a sua entrada, vale ler antes de programar a visita.
Agora eu fiquei meio sem jeito até de ter inventado de recomendar a feira de arte. Pode haver uma revista de sua bolsa na saída.
Coisa de (super)mercado.
Abre amanhã, dia 09 de abril, à visitação pública a partir das 13h.
Tem mais informações na página do Facebook da sp-arte!
Ah, o Vale-Cultura dá direito à meia entrada!

_______

1. Ver no link do site Ingresso, de onde tirei a informação e a imagem.
2. Preste atenção na lista, pois vai notar que alguns artistas estão representados por várias galerias, o  que vai permitir ver mais obras do artista que lhe interessar e ter uma noção bacana do percurso desse artista em sua carreira. É só uma dica e um modo de pensar no tempo que vai ter para a visita. Não se esquecendo de deixar se deixar atrair pelos felizes acasos, de grudar os olhos em algo fora do script e se aproximar para ver melhor.